Pesquisar

Alimentação na gravidez pode prevenir doenças no bebê

A gestante não deve comer por dois, ela precisa escolher melhor aquilo que irá comer para proporcionar mais saúde para ela e para o bebê

publicidade

A alimentação equilibrada é um hábito que deveríamos ter durante toda a vida. Sabemos que não é uma tarefa fácil, pois a cada dia temos menos tempo para sentar à mesa para um bom almoço, além da invasão de produtos gordurosos. A mulher grávida tem uma responsabilidade ainda maior quanto à sua alimentação, já que em suas mãos (em sua barriga, melhor dizendo) estará o desenvolvimento saudável de toda uma vida que está só começando.

Nesses nove meses ou menos, a mãe precisa pôr na cabeça a seguinte missão: precisarei de alimentos saudáveis para proporcionar a formação de um bebê saudável.

A alimentação da mamãe durante a gravidez influenciará a saúde do bebê por toda a sua vida. O risco que o bebê terá para diversas doenças inicia-se com a alimentação que recebe durante seu desenvolvimento intra-uterino.

A nutrição adequada nas primeiras semanas da gravidez garante um desenvolvimento completo do órgão responsável pela oxigenação e alimentação do feto, chamado placenta e do sistema circulatório do bebê.

Alimentação na gravidez pode prevenir doenças no bebê - Foto: dmitrieva - shutterstock.com

É ainda no início da gestação – no primeiro trimestre – que o sistema nervoso do feto é formado. Por isso a ingestão de certas vitaminas é essencial. Ingerir alimentos ricos em ácido fólico ou mesmo tomar cápsulas de ácido fólico previne a malformação do tubo neural (que deixa a medula óssea parcialmente exposta). Outros alimentos importantes são salmão, trutas e linhaça, ricos em ácidos graxos ômega-3 que permitem o pleno desenvolvimento do cérebro e sistema nervoso.

Para a prevenção o ideal é alimentar-se de gorduras insaturadas e monoinsaturadas, como o azeite de oliva e os óleos de amendoim, canola e girassol, em detrimento das gorduras saturadas ou trans, presentes nos produtos industrializados e margarinas, por exemplo.

Entre a 28ª e 40ª semana de gestação há um crescimento de 350% do bebê. Com esse rápido crescimento, se o nível de glicose na corrente sanguínea da mamãe estiver alto pode fazer com que aumente o crescimento da circunferência abdominal do bebê. Isso pode elevar os riscos de doenças como obesidade, diabetes e problemas cardíacos.

Para o nível de glicose não subir, o ideal é substituir carboidratos simples (refinados) pelos complexos (não refinados). Isto é, ingerir os alimentos integrais. Pães, cereais, massas e bolachas são encontrados na opção integral. O consumo de farinha e arroz brancos é para se feita apenas ocasionalmente. Já os doces devem ser ingeridos em porções pequenas.

Os benefícios irão se estender pelos primeiros anos de vida da criança e até para a vida toda. É importante sempre lembrar que o crescimento do bebê é impulsionado por aquilo que a mãe come. Vamos começar a comer bem, mamãe?

publicidade
publicidade