Pesquisar

Stress e infertilidade

publicidade

Stress é uma palavra vastamente usada nos dias de hoje para determinar desde uma reação a situações incômodas ou de risco, até o completo esgotamento emocional. A relação entre stress e infertilidade ainda carece de muitos estudos, já que nada do que se sabe até agora oferece provas conclusivas. Ainda assim, a controvérsia é vencida pela prática diária, quando casais que têm seus níveis de ansiedade controlados passam a responder ao tratamento de fertilização in vitro com mais sucesso.

A ciência ainda busca elementos que comprovem (ou não) que o stress pode causar infertilidade. Entre as prováveis causas da infertilidade psicogênica, encontramos ansiedade inconsciente sobre a sexualidade, sentimentos ambivalentes quanto à maternidade, complexos de Édipo mal resolvidos (relação com a mãe), ou ainda conflitos relacionados à identidade sexual.

Pesquisadores modernos, que se empenham na investigação psicológica em complemento aos avanços da endocrinologia reprodutiva, revelam que quase não há evidências relacionando fatores ligados à personalidade com infertilidade. Por ora, não se justifica que a ansiedade seja encarada como mais uma sensação de ‘culpa’ para os cônjuges.

Do ponto de vista biológico, a história é outra. Como o hipotálamo regula tanto a resposta ao stress, como a resposta sexual, os impactos são mais evidentes. Stress em excesso pode levar à completa supressão do ciclo menstrual. Em casos menos graves, a glândula pituitária produz uma quantidade maior do hormônio prolactina, podendo desregular a menstruação.

No homem, o stress leva à redução da quantidade de esperma e de volume do sêmen. O excesso de ansiedade muitas vezes pode resultar em falta de libido e de ereção. No auge do estresse, a pessoa também pode vir a sentir palpitações, dores musculares, sensação de falta de ar, tontura, suor excessivo, extremidades frias e fadiga intensa, o que acaba provocando momentos de crise conjugal entre os companheiros.

Nos Estados Unidos, calcula-se que 18 milhões de homens sofram de disfunção erétil. Na América Latina, esse número cai para 10 milhões. Ainda assim, o aumento de casos clínicos preocupa a classe médica.

Muitos pesquisadores se detêm no stress gerado durante os tratamentos de fertilização in vitro. Há estudos que revelam, inclusive, que os níveis de ansiedade e angústia pelos quais a mulher passa durante o tratamento são comparáveis aos de quem enfrenta doenças graves como o câncer. 

Para controlar esses níveis de ansiedade a cada tentativa de engravidar, a acupuntura tem socorrido os casais, especialmente as mulheres, com sucesso. No Brasil, a terapia de origem chinesa vem sendo empregada com sucesso há pelo menos três anos em algumas clínicas de reprodução assistida.

No último encontro anual promovido pela Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva, em Washington (Estados Unidos), foi apresentado um importante trabalho sobre o tema. Em dois anos, 51% das pacientes que se submeteram à acupuntura durante o tratamento de reprodução assistida em nossa clínica engravidaram, contra 21% daquelas que não foram submetidas à terapêutica.

Os resultados têm sido animadores. A acupuntura eleva o fluxo de sangue no útero, aumentando a espessura endometrial e melhorando a receptividade aos embriões. Além disso, pela liberação das endorfinas no sistema nervoso central, diminui o estresse emocional e a ansiedade, regulando os hormônios femininos. Se a terapia não é capaz de pôr fim ao stress, pelo menos tem sido muito útil no controle das emoções.

Outros recursos importantes são a psicoterapia e os grupos de apoio. Hoje, sabemos que muito do estado físico de uma pessoa passa por considerações da dimensão psicológica e emocional. Cada vez está mais evidente a natureza psicossomática da existência humana. Muitas são as doenças, quer se manifestem no corpo ou na mente, que resultam de desequilíbrios existenciais e de soluções inadequadas de vida.

Se, na psicoterapia, você conta com a ajuda de um profissional habilitado para ajudar a identificar e superar padrões de pensamentos negativos, os grupos de apoio oferecem um suporte emocional de pessoas que estão passando ou já passaram pelos mesmos problemas. Os dois recursos, assim como a acupuntura, têm efeitos benéficos durante os tratamentos de infertilidade e devem ser considerados em conjunto com os tratamentos clínicos.

publicidade
publicidade