Pesquisar

Como lidar com o dinheiro?

publicidade

É errado pensar que a criança não vai entender e nem saber lidar com o dinheiro. Seu filho só não aprenderá a lidar com o “dim-dim” caso os pais não ensinem. Se desde cedo a criança tiver explicação do valor e do poder que o dinheiro exerce na vida, mais tarde, ela poderá trabalhar sua própria independência.

Logicamente, a tarefa não é das mais simples, mas como tudo na vida não se consegue do dia para a noite, os pais precisam dar exemplo na questão envolvendo administração do dinheiro. Não adianta ensinar ao filho que é preciso economizar se os pais são consumistas de primeira e não conseguem poupar quase nada. Lembre-se: o filho é uma “esponjinha” dos pais, absorve tudo.

Até os cinco anos a criança se espelha nos pais, imitando-os, sendo um aprendizado imenso na vida dos pequenos. Esse é um primeiro passo para que comecem a entender o valor de tudo na vida.

Como querer que uma criança tenha noção de valor e da realidade se seus pais vivem fazendo exigências de roupas e sapatos de marca, celulares sempre do último modelo ou brinquedos caros? Para que isso não aconteça, os pequenos devem manusear dinheiro desde cedo e os pais não devem ceder às exigências feitas pelos filhos.

Estabelecer datas especiais para presentear a criança pode frear a impulsividade das crianças de querer comprar tudo o que vêem e na hora que querem. Temos o natal, aniversário e dia das crianças para que os pimpolhos recebam ótimos presentes.

Não queria que ele seja aquilo que você não foi – Muitos pais cometem esse erro. Uma situação que pode distorcer a noção de valor das crianças é quando os pais, para compensar o que não teve na infância ou a ausência durante todo o dia em que esteve trabalhando, tornam-se permissivos e dão tudo o que os filhos querem.

Morrem de medo em dizer não aos filhos para não ficarem distantes e simplesmente dão tudo o que as crianças pedem, pois não têm paciência para escutar um choro da criança depois que recebem um não.

Existem mais atitudes que os pais podem fazer para que as crianças cresçam aprendendo o valor de tudo e a lidar com o dinheiro. Explique por alto as necessidades da família e o quanto é gasto com as despesas. Compare valores dos produtos, deixe que a criança vá à padaria, quitanda ou banca para desenvolver a sua responsabilidade sobre o dinheiro.

Cuidado com os gastos de fim de semana - Os passeios de fins de semana podem ser desastrosos para o desenvolvimento da criança em relação ao dinheiro. Ninguém aqui está querendo que o pai seja aquele pão-duro de primeira. Longe disso. Como os pais trabalham fora a semana toda e não têm tempo para se dedicar aos filhos, os finais de semana tornam-se essenciais para os passeios com a família toda.

O problema é que normalmente esses passeios envolvem dinheiro como a ida ao shopping, cinema ou comer numa lanchonete. A sensação de prazer estará sempre associada ao comprar. A criança poderá associar que para ter prazer precisa gastar.

A solução é fazer passeios sem que o dinheiro esteja presente. Leve-a para brincar no parque, vá ao zoológico ou mesmo brinque em casa com jogos que envolvam toda a família. As crianças vão adorar e o aprendizado sobre o valor do dinheiro e como lidar com ele seria grande.

E a mesada? - A mesada só é aproveitada se as crianças desejarem recebê-la. Os muito pequenos não precisam. Esse presentinho deve ser passado quando as crianças começarem a comprar na cantina da escola ou fazer passeios com os amigos.

Às vezes, o período de um mês é muito grande para quem não tem noção de tempo. É o que acontece com as crianças de até 11 anos. A “semanada” seria uma melhor solução.

Faça a criança perceber que se o dinheiro que ela tem não for gasto tudo de uma vez, quando receber a próxima semanada ou mesada, poderá juntar e comprar aquele brinquedo mais caro que ela quer tanto.

Sempre lembrando que a mesada ou semanada é somente para os gastos que a criança terá com ela, como a próxima saída com os amigos ou juntar com o dinheiro que os pais iam dar um tênis e comprar um mais caro.

Dicas

- O cofrinho é uma boa desde que tenha uma saída para liberar as moedas quando a criança desejar. Quem nunca brincou de Banco Imobiliário? Tá aí uma ótima dica de raciocínio e administração financeira.

- Nunca ceda às birras. As crianças saberão como conseguir da próxima vez que levar um não: fazendo mais birra.

- Não envolva as crianças nas discussões sobre dificuldades financeiras. Apresente gastos de uma maneira geral, sem ser tão específico. É bom que seu filho tenha noção da saúde financeira da família, mas não precisa saber os melhores investimentos a serem feitos ou questões sobre a carga tributária.

publicidade
publicidade