Pesquisar

Alerta aos lanches com brindes

Um inofensivo brinquedinho dado como brinde às crianças em redes de lanches (fast food) pode se tornar um vilão no crescimento das crianças

publicidade

Na verdade, o agradinho às crianças não faz mal. O problema são os “parceiros” dele, geralmente sanduíches hiper-calóricos, batata frita e refrigerantes.

Os brinquedos servem como “iscas” para atrair as crianças às redes de fast food. Algo como “compre o lanchinho e ganhe um brinquedo”.

Daí a preocupação do Ministério Público Federal, que resolveu intervir, recomendando a essas empresas que vendem lanches acompanhado de brinquedos que interrompam essa prática “casada” devido a uma denúncia feita pelo Instituto Alana.

O instituto Alana, em conjunto com o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), realizou uma pesquisa onde mostra que os lanches que acompanham os brinquedos em cinco redes de fast food podem conter até 70% da quantidade de sal e gordura saturada que uma criança pode ingerir por dia.

Esses lanches também contêm gordura trans, cujo consumo não é recomendado em nenhuma quantidade, pois pode elevar o colesterol ruim.

lanches com brindes prejudicam a saúde das crianças - Imagem: freepik

“As crianças têm limitada capacidade de entendimento sobre o intento persuasivo das promoções de vendas a elas dirigidas", explica promotor da República, Marcio Schusterschitz da Silva Araújo, autor da recomendação das redes de fast food não venderem lanches acompanhados de brinquedos.

Como muitos sabem, o consumo excessivo de alimentos oferecidos pelos fast foods pode ter como consequências crianças obesas, hipertensas e outras doenças que antigamente eram encontradas basicamente em adultos.

O promotor salienta que o brinquedo adquirido com o consumo do lanche se perderá rapidamente, mas as consequências ruins da ingestão de alimentos com excesso de gordura ou açúcares perduram por tempo.

Manobras – Para incentivar a presença do público infantil, redes de lanches criam coleções de brinquedos. Comprando um lanche ganha-se um brinquedo da coleção, sendo que as coleções sempre têm vários modelos, com o claro objetivo da criança completar a coleção.

Além de aguçar o consumo excessivo das crianças pelos lanches, essas redes de fast food também ferem o Código de Defesa do Consumidor (que proíbe o uso profissional e calculado da ignorância do consumidor infantil).

A estratégia também não se alinha ao Estatuto da Criança e do Adolescente, que estabelece a seguinte regra: as iniciativas particulares sobre as crianças devem necessariamente ser compatíveis com seu desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e dignidade.

Portanto, papai e mamãe, não se iludam com qualquer propaganda e sejam mais críticos na hora de definir o cardápio para o seu filho.

Dicas

  • O consumo de alimentos oferecidos pelas redes de fast food não são proibidos, mas o importante é não abusar. Uma ou duas visitas vezes por mês é o suficiente para satisfazer a vontade.
  • Estimule seu filho a comer uma comida balanceada e equilibrada para ter uma vida saudável sempre lembrando que o exemplo é o estimulo mais precioso.
  • Faça atividades físicas com seu filho. Leve-o para a pracinha, parque ou praia e brinque com ele.

publicidade
publicidade