Pesquisar

Açúcar nem sempre é risco de obesidade

Apontado como inimigo da maioria das dietas ele é bem-vindo se consumido moderadamente

publicidade

Temos o costume de eleger o açúcar um dos principais vilões da obesidade. Essa acusação tem total fundamento. Mas é preciso dizer algo que muitos não sabem. O açúcar é importantíssimo para o organismo, sendo que uma quantidade equilibrada desse elemento no corpo, pode auxiliar até na dieta. O problema é que a maioria se descontrola no consumo do açúcar e acaba consumindo exageradamente. Esse consumo exagerado aliado ao sedentarismo pode ser o início da obesidade e suas consequências em relação a problemas de saúde.

Vamos explicar primeiro por que o açúcar (sem exageros!!!!) é bom para a criança. O açúcar é usado para produzir energia ao seu corpo, melhorando o funcionamento cardiovascular. Quando falamos em açúcar não é só daquele refinado branco que está presente na grande maioria dos lares brasileiros, estamos falando do açúcar mascavo, do mel, da frutose (açúcar das frutas), dentre outros.

Essa energia produzida atua diretamente no rendimento em atividades físicas seja lá qual for. Mas não vai querer encher seu filho de brigadeiro antes de um jogo de futebol no colégio.

A advertência precisa ser feita: cuidado com os alimentos que tem o açúcar como “ator principal”. Isso vale para pudim, doce de leite, bolo e outras inúmeras comidas doces. O açúcar armazenado no corpo pode virar gordura. O sinal de alerta acende quando muito alimento doce é ingerido.

Bebê olhando para um cupcake gigante - foto: Ekaterina Bratova/ShutterStock.com

O açúcar também pode ser encontrado em iogurtes, frutas, legumes e cereais. Esses alimentos possuem também nutrientes e vitaminas essenciais. Outra coisa importante. Podemos chamar de “açúcar bom” aqueles presentes em frutas e alguns vegetais.

O açúcar presente em frutas pode virar gordura, mas dificilmente causará obesidade, desde que não consumido exageradamente. Claro que o ganho de peso está ligado também a outros fatores já conhecidos como o sedentarismo.

Recado - Crianças e adolescentes que ingerem doces desde cedo de forma regular aprendem melhor a ter uma disciplina alimentar e tem a consciência que esses alimentos são “especiais” e não devem ser consumidos com exagero.

O ideal é que o consumo diário de açúcares não ultrapasse 10% da ingestão total das calorias. Isso quer dizer que em média uma criança não deveria consumir mais que 50 gramas de açúcar por dia ou aproximadamente 12 colheres de chá. O detalhe é que, por exemplo, um copo de refrigerante de 200 ml, tem aproximadamente 20 gramas de açúcar. Ou seja, se a criança beber dois copos na hora do almoço, praticamente esgotou sua cota do dia. Só que ela provavelmente ainda vai consumir bolachas, balas, doces, massas (pães), frutas, e quem sabe frituras (outro fator que também pode levar à obesidade). Então a atenção deve ser total.

Preste mais atenção nos alimentos industrializados, alguns deles já estão adoçados e não necessitam de mais açúcar, como por exemplo os achocolatados que se costuma colocar no leite e aqueles sucos em pó (envelopes). E não se engane, aqueles sucos de caixinha possuem muito açúcar.

Uma alimentação saudável não é a restrição de algum tipo de alimento e, sim, um equilíbrio entre todos os alimentos. Procure um médico ou uma nutricionista para elaborar um cardápio adequado para as crianças e adolescentes.

publicidade
publicidade