Pesquisar
atualizado em 25/09/2015 10:19h

A importância da água para as crianças

Refrigerantes, sucos, achocolatados, bebidas lácteas, tudo isso pode e deve ser trocado pela água, muito mais benéfica e barata

publicidade

No dia-a-dia, muitas pessoas bebem pouca água, isso inclui as mamães e futuras mamães, esquecendo que seu corpo é constituído por cerca de 65% de água. O que isso representa?

Em consequência desse mau hábito, as mamães não oferecem água para seus filhos, ignorando a importância da hidratação diária das crianças. Lembrando que a criança ao nascer é constituída de aproximadamente 79% de água, de 70 a 75% nas primeiras semanas de vida e, no primeiro ano de vida, atinge de 60 a 65%.

Um bebê que é amamentado não necessita de água, chá ou suco. O leite materno oferece ao bebê até os seis meses de idade quantidade de água suficiente para sua hidratação.

Como o estômago e intestino do bebê até os seis meses de vida ainda estão imaturos, mesmo uma “inocente” água pode provocar diarreia e vômitos, aumentando as chances de desidratação.

Por isso, nessa etapa da amamentação, quem precisa de muita água para garantir quantidade de nutrientes suficiente para o leite materno é a mamãe.

Para os bebês alimentados com fórmulas, leite de vaca ou então que já passaram dos seis meses e que estão se alimentando de outros alimentos, a oferta de água é extremamente necessária para hidratá-los.

Ofereça água quando a criança estiver acordada. Deve-se aumentar a oferta de líquidos nos dias quentes e quando o bebê estiver com febre. Crianças precisam mais de água do que um adulto, pois são mais susceptíveis ao stress por calor já que possuem pouca massa corporal e com isso absorvem mais calor.

Também tem uma menor capacidade de suar que os adultos, tendo assim menos capacidade de dissipar o calor do corpo.

Criança bebendo água na garrafa e fazendo sinal de positivo - foto: Selins/ShutterStock.com

Água para recuperar as energias - Crianças que realizam atividade física merecem maior atenção, especialmente em temperaturas quentes. Ofereça água constantemente, pois os pequenos são menos sujeitos a sentir sede durante uma atividade e podem não sentir a necessidade de beber água mesmo quando o corpo precisa.

A água se faz necessária para o crescimento das crianças e para o melhor funcionamento do organismo, melhorando as funções dos rins, bexiga e intestino. As frutas, sucos, legumes e verduras também são fontes de água para o corpo humano. Mas as crianças devem beber pelo menos quatro copos com água fervida ou filtrada para garantir a harmonia do seu corpo.

A boa hidratação da criança previne a prisão de ventre, pois a água melhora o trânsito intestinal e umidifica as fezes.

Caso a criança perca muita água através de transpiração excessiva ou pelo trato gastrointestinal, como febre, diarreia ou vômito, consulte um pediatra e verifique a necessidade de se aumentar a ingestão de água para garantir a perfeita hidratação do seu filho.

As mamães nunca devem esquecer que seus filhos necessitam repor líquidos mais cedo e com maior frequência e que eles não tomam instintivamente a quantidade suficiente de líquidos para repor a água perdida. Portanto, água neles!

Dicas importantes

A água deve ser preferencialmente filtrada ou fervida (pelo menos 5 minutos, e deixar esfriar antes de servir).

O ideal é levar água de casa e evitar comprá-la de ambulantes.

Prefira água ao invés de sucos, mesmo os naturais. Se mesmo assim a vontade falar mais alto, prefira sucos que normalmente são preparados com água, como a limonada, a laranjada, ou qualquer fruta batida com água. Evite a todo custo os sucos industrializados (em caixinha, em saquinho, em potinho, em garrafa).

Quando sentimos sede é porque a desidratação foi iniciada. Então, estimule a ingestão de água ao longo do dia para não sentir sede.

Crianças quando brincando vão evitar a todo custo parar a brincadeira, nem que para isso fiquem apertados para fazer xixi ou com a garganta seca de sede. Evite isso, chame-a e pergunte se precisa ir ao banheiro e faça com que beba água.

publicidade
publicidade