Pesquisar

Alimentos industrializados para crianças ocultam informações

Embalagens omitem ou não informam corretamente alguns informações importantes e em alguns casos informam valores abaixo dos encontrados em análises laboratoriais.

publicidade

Muitas mamães costumam ser rigorosas na análise da alimentação dos seus pimpolhos, inspecionando rótulos das guloseimas que agradam a criançada. Portanto, nada mais comum do que verificar o rótulo desses produtos à procura de ingredientes saudáveis, deixando de lado os que contêm algo prejudicial para a saúde.

O problema começa quando esses alimentos que tanto os filhos gostam não trazem em seus rótulos todas as informações necessárias sobre o risco de obesidade infantil, um dos maiores vilões das crianças.

Isso é o que diz um estudo feito pelo Instituto Adolfo Lutz, que analisou 153 embalagens de biscoitos, bombons e salgadinhos mais encontrados nas cantinas das escolas.

Em nenhum dos 153 rótulos analisados continha todas as informações corretas sobre sódio e gordura, substâncias que em excesso causam muitos dos problemas de saúde na infância hoje, como obesidade e diabetes. A omissão ou erro nas embalagens chegou a 75% do total.

Cássia Lobanto, coordenadora da pesquisa, revela também que alguns dos produtos estudados fazem parte dos alimentos que podem ter sua venda proibida por lei em cantinas de escolas públicas e particulares do Estado de São Paulo. Essa lei já foi aprovada pela Assembleia Legislativa de São Paulo.

O principal erro das embalagens das guloseimas são as informações nutricionais onde os valores de sódio e gordura estão menores do que foi verificado em análises no laboratório. Isso impede que as mamães saibam realmente o quanto de sódio e gordura seus filhos estão ingerindo.

Entre os anos de 2001 e 2005 a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ordenou a adaptação para que se coloque as informações nutricionais corretas nos rótulos dos alimentos. As empresas ainda estão dentro do prazo para cumprirem a determinação.

Dicas

Guloseimas devem ser evitadas pelas crianças. Deve ser determinado pelos pais o dia em que se pode comer essas “gostosuras”, sempre de maneira moderada

Uma alimentação saudável, aliada à prática esportiva, são as melhores prevenções contra a obesidade infantil.

O ideal é que a criança leve seu lanche para a escola ao invés de comprar na cantina na escola. O lanche preparado em casa é mais saudável do que muitas “bugigangas” vendidas nas cantinas.

publicidade
publicidade