Pesquisar

Polvo de Crochê

De acordo com nota técnica do Ministério da Saúde, os polvinhos podem ser utilizados de forma lúdica, como brinquedos

publicidade
O Projeto Octo, criado na Dinamarca em 2013, surgiu para auxiliar bebês prematuros. O conceito do projeto é simples: voluntários confeccionam polvos feitos de crochê e doam para as maternidades, que colocam os polvos nas incubadoras.

Os tentáculos do polvo se assemelham ao cordão umbilical e acalmam os bebês prematuros. Eles ajudam a estabilizar os batimentos cardíacos e a respiração dos pequenos. Puxar os tentáculos do polvo também impede o bebê de puxar as sondas e os fios que monitoram seus batimentos cardíacos. O corpinho do polvo também auxilia no posicionamento dos bebês na incubadora, funcionando de forma semelhante aos rolinhos de posição.

Para confeccionar o boneco, os voluntários precisam seguir algumas exigências feitas pelos próprios hospitais. Algumas delas são: serem confeccionados com linhas de crochê 100% algodão, o enchimento tem que ser de fibra siliconada antialérgica, lavável até 60 graus Celsius , pois o polvo irá passar por uma esterilização na maternidade. Os tentáculos não podem passar de 22 cm, quando esticados, e o corpo do boneco pode variar de 6 a 9 cm.
polvos de crochê para prematuros - Foto: Agência Brasília
Saiba como produzir o seu polvo de crochê:


Recentemente, em outubro de 2017, o Ministério da Saúde publicou nota técnica sobre os polvos, afirmando que não os proíbe, mas o contraindica para uso de maneira terapêutica por falta de evidências científicas. Os bichinhos podem ser utilizados de forma lúdica, como brinquedos.

Os polvos de crochê não substituem a presença dos pais, o aleitamento materno e o Método Canguru.

Vale também lembrar que o projeto é 100% voluntário e os polvos não devem ser comercializados, mas, sim, doados.

Para mais informações, acesse a página do Projeto Octo Brasil.



publicidade
publicidade