Pesquisar

Os primeiros amiguinhos

As primeiras vivências sociais da criança com os amiguinhos são tão importantes, que mesmo que haja mudança de endereço ou de escola, serão levadas pela vida afora

publicidade

Antes dos três anos, o interesse da criança é mais voltado para os brinquedos e objetos do que propriamente outra criança. Pode se aproximar, mexer com ela, imitá-la, porém logo retorna para o que estava fazendo, sozinha.

Mesmo que esteja em um ambiente onde haja muitas crianças, como é o caso de creches e berçários, e estando todas próximas, uma não participa da atividade da outra. É a conhecida ¨brincadeira solitária¨. Não há troca, colaboração e uma não presta atenção na outra, nem que estejam com o mesmo tipo de brinquedo e fazendo as mesmas coisas.

É a partir dessa idade que começam a surgir os primeiros amigos e colegas verdadeiros. Geralmente possuem a mesma idade, sexo, interesses, moram perto ou estão na mesma classe pré-escolar. Quando juntas, as crianças estão felizes e não se separam; quando distantes, sentem falta da companhia da outra.

Como o maior meio de aprendizagem infantil se dá pela imitação, a criança tenta reproduzir todos os comportamentos sociais dos seus pais frente a seus próprios amigos e familiares ou de outras crianças e pessoas mais velhas e próximas. Certamente seus amiguinhos também influenciarão o modo de atuarem juntos.

Por meio da amizade, a criança aprende o que é ter amigo e, mais fundamentalmente, a ser amigo. Importante lembrar que, para ela, raça, credo, cor, nada disso influencia suas escolhas. Não há preconceito de forma alguma.

os primeiros amigos das crianças - Foto: kstudio / Freepik

Vale ressaltar ainda, que os pais devem estimular seus filhos a fazerem amigos, promover encontros entre as crianças, oferecer espaços seguros para que possam brincar e interagir, sem perigo.

O convívio social mais amplo vai proporcionar um desenvolvimento saudável, pois a criança aprende a compartilhar suas vivências, emoções e brinquedos. Aprende, ainda, a respeitar e aceitar as diferenças de opiniões, pontos de vista, inclusive as diferenças sociais, morais e culturais.

Interessante perceber como mudam rapidamente de estado de humor. Uma hora ¨estão de mal¨ do amiguinho, no minuto seguinte brincam juntos novamente. Basta que um adulto responsável fique por perto observando, sem interferência, para que tentem lidar sozinhas com a questão. Se não derem conta, poderão pedir-lhe ajuda.

Mesmo que não seja filha única, a criança necessita de amigos. O modo como brincam com os irmãos também será transferido para eles, porém nem sempre com o mesmo padrão. Por exemplo, se em casa ela assume a função de ser a filhinha, com os amiguinhos poderá querer ser a mamãe ou o papai, ou seja, vai aprendendo outros jeitos de brincar, aumentando o repertório de possibilidades.

A criança, cujos pais são extrovertidos, brincalhões, possuem vida social mais ativa, e que teve vínculos afetivos seguros com eles, baseados na confiança, tenderá a ter mais amigos e relacionamentos mais positivos, duradouros e afetuosos. Por exemplo, ao ver uma criança triste ou chorando, mesmo não sabendo como reverter a situação, tentará confortá-la, abraçando-a.

As primeiras vivências sociais da criança com os amiguinhos são tão importantes, que mesmo que haja mudança de endereço ou de escola, serão levadas pela vida afora e, muitas vezes, com o mesmo carinho e ternura quando lembrados.

publicidade
publicidade