Febre: não se desespere. Apenas aprenda a observar.

Quando a febre se manisfesta nas crianças os pais entram em alerta e a maioria opta por medicar seus filhos. Isso está correto?

Entre os quadros que mais preocupam os pais e que mais os levam a uma consulta de emergência, talvez a febre ocupe um dos primeiros lugares, senão o primeiro.

A febre não é uma doença. A febre é um sintoma clínico que representa um aviso do nosso organismo de que há um processo de defesa contra alguma agressão em andamento.

E, em grande parte das vezes, os pais já medicam seus filhos para esse quadro, muitas vezes até sem medirem a temperatura, apenas pelo fato de seus filhos estarem um pouco mais quentinhos.

Muita gente se espanta quando algum homeopata acha que não é necessário e nem recomendável usar antitérmico para qualquer febre.

Sabemos que uma criança febril pode ficar mais amuada, alimentar-se mal, tomar poucos líquidos e, assim, ter uma interferência negativa na evolução de sua doença.

Termômetro mostrando a temperatura do bebê - Foto: Jjustas / ShutterStock

Dessa forma, quando um pediatra homeopata receita um antitérmico junto com o tratamento homeopático, a intenção não é “curar a doença” e nem “tratar a febre”. A ideia é melhorar o conforto dessa criança para que ela se alimente bem, se hidrate bem, durma bem e consiga usar suas energias no combate à doença.

Porém, mesmo nesses casos há crianças que não se abatem e, consequentemente, conseguem evoluir de forma bem favorável e satisfatória, usando apenas o tratamento homeopático.

Quando um homeopata age assim, e isso desde que se conhece e se usa homeopatia, as críticas aparecem de todos os lados.

A reviravolta

Em março de 2.011, foi publicado no Pediatrics, o Jornal Oficial da Academia Americana de Pediatria, um artigo chamado Febre e o uso de antipiréticos em crianças que merece ser divulgado.

Nesse artigo, os autores explicam que a febre não é uma doença e sim um mecanismo fisiológico que tem efeitos positivos quando nosso organismo tenta combater uma infecção.

Ao contrário da preocupação dos pais, a febre, por si só, não agrava a doença e não determina a gravidade dessa doença, não causa agravações neurológicas a longo prazo e, baixar a temperatura tem mais a intenção da melhora do conforto geral da criança do que normalizar a temperatura do seu corpo.

Então febre serva para alguma coisa?

Aqui, acho que vale a pena transcrever na íntegra as palavras dos autores do texto, para que não haja nenhuma dúvida quanto ao seu significado.

Retirei do texto apenas as citações que comentam a ação de dois grupos de antipiréticos (acetaminofem e ibuprofeno) e a comparação de sua ação isolada ou em conjunto na ação antitérmica.

“A febre não é uma doença e sim um mecanismo fisiológico com efeitos benéficos no combate à infecção. A febre retarda o crescimento e reprodução de bactérias e viroses, estimula a produção de neutrófilos e proliferação de linfócitos T e ajuda na reação aguda do corpo. O nível de febre não está correlacionada sempre com gravidade da doença. Muitas febres são de curta duração, benignas, e podem realmente proteger o indivíduo. Dados mostram efeitos benéficos em certos componentes do sistema imune na febre, e alguns dados revelaram que a febre realmente ajuda o corpo a se recuperar mais rapidamente de infecções virais, mesmo que a febre possa resultar em desconforto na criança.

Efeitos benéficos em potencial da redução da febre incluem o alívio do desconforto do paciente e a redução da perda hídrica insensível, que pode diminuir a ocorrência de desidratação. Os riscos de diminuição da temperatura incluem um atraso na identificação do diagnóstico subjacente e o início do tratamento apropriado e toxicidade da droga. Não há evidências de que crianças com febre estejam em um risco maior de efeitos adversos como danos cerebrais. A febre é uma resposta fisiológica comum e normal que resulta em um aumento do “set point” hipotalâmico em resposta a pirogênios endógenos e exógenos.

O aconselhamento apropriado no manejo da febre começa por ajudar os pais a compreender que a febre, por si só, não aumenta o risco geral em uma criança saudável. Ao contrário, a febre pode realmente ser benéfica; dessa forma, a real meta da terapêutica antipirética não é simplesmente normalizar a temperatura corporal, mas melhorar o estado geral, o conforto e o bem-estar da criança.

Durante o aconselhamento da família no manejo de febre em uma criança, pediatras e outros cuidadores de saúde devem minimizar o medo de febre e enfatizar que o uso de antipiréticos não previne a convulsão febril.

Ao invés disso, os pediatras devem focar na monitoração de sinais e sintomas de doenças graves, na melhoria do conforto da criança pela manutenção da hidratação, e pela educação dos pais no uso, dosagem e estocagem segura dos antipiréticos.”

E ai? Medica-se ou não febre em crianças?

Essa é uma decisão que deve ficar a critério do pediatra que estiver acompanhando o caso, agirá embasado em seu conhecimento, nessas (nem tão) novas informações e em sua avaliação de momento.

Que fique bem claro que a medicação da febre não é uma obrigação e que ela não evitará a convulsão febril, complicação benigna, porém tão temida pelos pais.

A febre é apenas um indicativo de um processo em andamento e esse sim deve ser pesquisado, diagnosticado e tratado. Com a evolução e resolução desse quadro, a febre, juntamente com todos os outros sintomas, irá ceder.

FonteClinical Report – Fever and Antipyretic Use in Children – Pediatrics – Official Journal of the American Academy of Pediatrics – volume 127 – nº 3 – março/2011 – pg 580-587.

Dr. Moises Chencinski

Dr. Moises Chencinski
Médico especializado em pediatria e homeopatia
Veja Perfil Completo

 

Esta página foi publicada em: 23/04/2013.

Mais deste AUTOR:

Comentários

Pity

boa noite,observei que voce alem de pediatra é tambem homeopata,pois bem,preciso da sua ajuda,o meu filho tem 5 anos e tem asma juntamente com psoriase ou dermatite atopica,tudo tipico do clima aqui do sul,vive atacado e tomando corticoide,entao ha um mes decidi tratar com homeopatia,porem em 20 dias ele teve duas crises e hoje passou o dia com 38 de febre,por favor o que devo fazer?

Doutor Moises

Pity, boa tarde.

Converse com seu Pediatra Homeopata. Explique a ele. Seu filho precisa ser examinado.

Keke

Ola doutor. Minha filha tem 5 anos e desde ontem esta com febre de 38.5..estava se queixando de dor de barriga mas q passou logo..oq eu faco doutor ?? Estou dando dipirona mas a febre vai e volta..e agora sao 5 horas da manha ela esta dormindo e soltou um pun muito fedido sera q pode ser infecção intestinal? ? Ainda nao esta com diarréia e nen vomitando..nao sei oq eu faco..obg ..

Doutor Moises

Olá, Keke.

Nesses casos, o melhor a fazer é conversar com o pediatra dela.

Se não conseguir localizar e o quadro não melhorar, vá ao P.S. para uma avaliação.

Patriarca

Olá Dr. Moises Chencinski, muito obrigado pela matéria, ela é muito esclarecedora.Às vezes esquecemos que a internet não pode resolver tudo e que a intervenção de um bom profissional de forma presencial ainda é a melhor atitude que podemos fazer pelos nossos filhos, sobretudo quando necessitam de cuidados. Mas ainda assim, textos como esses nos ajudam e muito. Abraço.

Doutor Moises

Olá, Patriarca.

Eu que agradeço a confiança e seus comentários gentis.

A intenção das informações é realmente esclarecer e até poder orientar, mas realmente não substitui a consulta pediátrica.

Sebah

Dr. Moises, Boa Noite,
Meu filho tem 1 ano e 2 meses e está com 39, 5
Dei o remédio que o pediatra indicou, quais os sintomas de dente rasgando? Ou outro sintoma que eu associe a outra hipótese de doença.
Obrigado

Doutor Moises

Sebah, boa noite.

Febre é um sintoma que pode estar relacionado a qualquer doença infecciosa e até por outras causas (dentição é uma delas).

Sempre converse com seu pediatra e esclareça essa situação em consulta.

Pesquise aqui
 
Depoimento