Pesquisar

Dia Mundial do Braille: coleção de livros infantis com duas escritas

“Fazendo a Diferença”, de Paulinas, tem livros para todos os tipos de leitor, incluindo cegos e com baixa visão

publicidade
No dia 4 de janeiro comemora-se o Dia Mundial do Braille em alusão ao nascimento de Louis Braille, francês que desenvolveu o sistema de escrita e de leitura para pessoas com deficiência visual, que consiste em um alfabeto com diferentes combinações de 1 a 6 pontos.

Pensando nessa questão, a Paulinas Editora lança coleção de livros infantis dedicados às crianças cegas e com baixa visão e também às crianças com a visão normal, pois têm as duas escritas – convencional e braille (sistema de leitura para cegos por meio do tato). Os livros da coleção Fazendo a Diferença foram impressos em parceria com a Fundação Dorina Nowill para Cegos e tratam de assuntos relacionados à inclusão social, à superação das limitações decorrentes da deficiência, à pluralidade cultural e, principalmente, ao respeito às diferenças.

Dia Mundial do Braille: editora apresenta coleção de livros infantis com duas escritas - Foto:  Julia Freeman-Woolpert / freeimages.com

Da coleção, merecem destaque as obras de Elizete Lisboa, escritora mineira, cega desde criança, que já recebeu o Prêmio FNLIJ Fernando Pini de Excelência Gráfica 2005 (Categoria Livros Infantis), pelo livro Que será que a bruxa está lavando?, e teve o livro Firirim finfim selecionado pelo MEC para o programa PNBE. “A literatura infantil, sem dúvida, me ajudou e continua ainda me ajudando a ser mais feliz. Hoje, o que eu desejo para todas as crianças é que elas cresçam protegidas por muito amor e protegidas também pelos livros, pelo hábito da leitura”, afirma a autora.

A maioria dos livros de Elizete Lisboa publicados pela Paulinas Editora tem ilustrações da artista plástica Maria José Boaventura (Marijô), que já recebeu muitos prêmios, inclusive o Jabuti. E o grande diferencial dos livros da coleção Fazendo a Diferença é que as ilustrações também são em braile. Assim, as crianças cegas podem ver muito mais do mundo por meio de seus dedinhos.
 
A temática da coleção envolve grande diversidade de assuntos relacionados à inclusão social. O acesso à leitura, a superação das limitações decorrentes da deficiência, o respeito e a pluralidade cultural, entre outros temas, abrem um grande leque de saberes. A bruxa mais velha do mundo, de Elizete Lisboa; Sarita menina, de Cláudia Cotes; O garoto da cadeira de rodas voadora, de Almir Correia; Dança down, de Cláudia Cotes, e muitos outros são títulos da coleção.

Livro a Bruza mais Velha do Mundo, da Paulinas Editora

Mais informações: www.paulinas.org.br
publicidade
publicidade