Pesquisar

Consertar o brinquedo ou comprar um novo, o que é melhor?

Será que o melhor é sempre jogar fora ou dar o brinquedo quebrado e comprar um novo para seu filho?

publicidade

Sempre que possível você presenteia o seu filhote com um brinquedo novo. Dos artesanais aos mais modernos, algumas crianças não sossegam enquanto não desmontam o brinquedo para entender como funcionam, mas em muitos casos os brinquedos não passam pelo teste de resistência e acabam sendo danificados, seja sem querer ou propositalmente. O resultado acaba sendo um carrinho faltando uma rodinha, uma boneca que perdeu a cabeça ou o coitado controle do vídeo-game que parou de funcionar.

Infográfico: o brinquedo quebrou? comprar ou consertar? Foto 1: Aliaksei Smalenski / ShutterStock.com Foto 2: Guzel Studio /ShutterStock.com

Nesse cenário de brinquedos faltando partes ou não funcionando como deveriam, muitos pais acabam jogando fora esses brinquedos ou partes e compram novos para substituí-los. Do ponto de visto do consumo, não há nada de errado com isso, mas se prestarmos atenção, essa é pode ser uma ótima oportunidade para a formação educacional de seu filho, seja comportamental como financeira.

Se você é do tipo consumista e acha que quebrou tem que trocar por um novo, siga em frente. Mas se você consegue enxergar essa oportunidade educacional, então procure um "hospital de brinquedos" e faça pelo menos um orçamento. O ideal é que você faça isso junto com seu filho, desde a decisão de procurar por restaurador de brinquedos até a retirada na loja. Isso poderá fazer com que seu filho perceba que aquela atitude de atirar o brinquedo contra a parede em um momento de pirraça, ou de desmontá-lo por curiosidade, resultou em um longo processo para recuperar o brinquedo. Seja em tempo como financeiro. Se você dá mesada aos eu filho, essa é uma ótima oportunidade de descontar dela o preço do conserto.

Veja se é possível levá-lo à oficina de brinquedos para que ele veja um cenário de "destruição" mas também um local onde os brinquedos são recuperados e tornam a proporcionar alegrias. Veja com a pessoa responsável pelos consertos se ele pode explicar para seu filho o que será feito, desde a verificação de peças disponíveis até a elaboração do orçamento, quantos dias vai demorar e se ele acha que terá conserto.

Depois que o brinquedo for consertado, leve seu filho para retirá-lo na loja. O ideal é que o processo todo tenha a participação dele.

Tudo isso fará com que seu filho reflita de alguma forma e possa vir a pensar duas vezes antes de estragar um brinquedos, principalmente se você não sair mais correndo para comprar um novo, mas propor o conserto do quebrado. Essa atitude, se cultivada, também poderá fazer com que seu filho venha a ser menos consumista e mais cauteloso na hora de gastar o dinheiro no futuro.

Depois de tudo isso, se ele não desejar mais o brinquedo, você ainda poderá conversar com ele sobre a possibilidade de doar o brinquedo consertado ou trocar em alguma feira de trocas em sua cidade ou até mesmo pela internet.

publicidade
publicidade