Banho de Sol: toda criança precisa?

Antes sim, agora não?

ATENÇÃO!
Esta página está em reformulação. O conteúdo contido nela está desatualizado e não deve ser seguido.
Dentro de alguns dias teremos informações atualizadas e seguindo as novas diretrizes do 1º Consenso Brasileiro de Fotoproteção.

Muito se fala da importância do sol para o desenvolvimento e crescimento dos bebês, mas as mamães sabem o por quê desse hábito pouco lembrado por muitas famílias?

Simples. O bebê recebe da mamãe pelo leite materno a vitamina D, que fica inativa no organismo do pequeno. Para que essa vitamina se sintetize e proporcione a absorção do cálcio, o bebê precisa tomar banho de sol. São os raios solares que transformam a vitamina D inativa em ativa, conseguindo absorver melhor o cálcio, fundamental para o desenvolvimento e crescimento dos ossos.

Portanto, o banho de sol deve ser diário, ou pelo menos três vezes na semana, e iniciado aos 30 dias de vida do bebê, mas não é em qualquer horário, não! O sol tem que ser aquele da manhã, até às 10 horas, ou o da tardezinha, depois das 16 horas. Os raios solares entre dez da manhã e quatro da tarde são muito fortes e prejudiciais ao bebê.

É importante ressaltar que não se deve passar protetor solar em bebês de até seis meses de idade, pois a pele desses pequenos ainda é muito fina e sensível, podendo causar irritação e alergia.

Nos primeiros dias, o banho de sol deve durar de cinco a dez minutos, aumento gradativamente até um máximo de uma hora. O sol é para a saúde do seu filho e não para que ele fique bronzeadinho.

Trajes para o banho de sol - Outro fator importante é a roupinha que o bebê deve usar ao fazer o banho de sol. A maior parte do corpo do bebê tem que estar exposta ao sol diretamente, sem qualquer obstáculo, mesmo sendo uma roupa bem fininha. Não esqueça o chapéu para proteger o rostinho do seu bebê.

O banho de sol feito em casa também vale. Deixe o pequeno perto da janela em que o sol entre. Só não pode fechar o vidro. Os raios solares que sintetizam a vitamina D não passam pelo vidro.

A falta de vitamina D na alimentação ou a inadequada exposição aos raios solares pode causar raquitismo na criança, doença do tecido ósseo que ocorre durante a fase de crescimento, caracterizada por inadequada mineralização do osso por falta de vitamina D ativa.

As manifestações iniciais podem ser irritabilidade, insônia e sudorese abundante no pescoço durante a amamentação. Mas a transpiração no pescoço pode ser normal já que em nosso país o calor é intenso.

No Brasil, um país tropical, é difícil encontrar crianças com a doença raquitismo, mesmo em famílias com baixa condição sócio-econômica, já que o sol aparece quase o ano inteiro.

A exposição ao sol com cuidado e proteção é essencial para o desenvolvimento e crescimento saudável do seu bebê.

Dicas

Se levar o bebê para tomar o sol da tardezinha, leve um agasalho caso esfrie mais tarde. Bebê não é adulto. Portanto, nada de querer que ele pegue um bronze.

Na hora da exposição ao sol disponha sempre de um relógio para controlar o horário e o tempo. Hidratação é fundamental.

O leite materno é a melhor fonte de vitamina para o bebê de até seis meses. Protetores solares não devem ser usados neste seis meses iniciais de vida.

Bruno Rodrigues

Pesquise aqui
 
Depoimento