Linha de cuidado oral - MAM

Aprendendo fazendo música

Linha de cuidado oral - MAM

Pode até ser um pouco desafinado ou meio fora do ritmo, mas basta ouvir o som de algumas notas musicais para os pezinhos começarem a acompanhar a melodia. Cantando, tocando ou dançando, a música de boa qualidade proporciona diversos benefícios para as crianças e é aliada do desenvolvimento saudável da garotada.

Você sabia que os ouvidos do bebê já estão desenvolvidos ao quinto mês de gestação? Há quem defenda que os recém-nascidos reconhecem a música que a mãe ouviu durante a gravidez e até conseguem despertar ou adormecer conforme o tipo de música que ouvem. Existem estudos que indicam que o feto pode ouvir e reagir ao som e ao movimento, mas, até o momento, nada está provado.

Sabe-se que, além de influenciar o estado de espírito da criançada, a música, por envolver várias áreas cerebrais ao mesmo tempo, é uma atividade integradora que pode servir como uma espécie de treino precoce do cérebro. Assim, a aprendizagem da música desde cedo é capaz de facilitar a assimilação de várias matérias, como a matemática, por exemplo.

Isso porque a audição da música exercita o cérebro, e quanto mais o cérebro for estimulado, maior será a capacidade de aprender. Ao formar um acorde, um novo som ou uma harmonia melodiosa, a pessoa, indiretamente, está ativando o domínio de cálculos puramente matemático.

Por todos esses motivos, a educação musical está fazendo parte da programação de muitas pré-escolas, devido à importância não só como entretenimento, mas também no auxílio do aprendizado da fala e na coordenação motora. A música tem, ainda, o dom de aproximar as pessoas. A criança que vive em contato com a música aprende a conviver melhor com as outras crianças e estabelece um meio de se comunicar muito mais harmonioso. Por outro lado, quando aprende a tocar algum instrumento, também é capaz de ficar sozinha sem se sentir solitária ou carente de atenção.

A musicista e autora do livro “A Música de Todos os Tempos”, Adriana de Oliveira Ribeiro, explica que a criança, durante seus primeiros anos de vida, tem seu potencial adormecido. “O contato com a música de qualidade estimula a criatividade e permite que o pequeno tenha equilíbrio”. Segundo ela, a partir dos quatro anos já é aconselhável que a criançada comece a ter contato com instrumentos musicais.

Bruno Rodrigues

Depoimento