Cuidando dos dentinhos

Aprendendo a escovar os dentes

É bom motivar e ensinar a criança a escovar os próprios dentes e passar o fio dental para que ela desenvolva um sentimento de responsabilidade pela sua saúde oral. Porém, até os seis anos de idade, a criança não tem coordenação nem habilidade suficiente para realizar uma escovação eficaz. Até ela ficar craque, um adulto precisa estar sempre por perto na hora de escovar os dentes.

Em primeiro lugar a criança precisa aprender a dividir corretamente o tempo de escovação dos dentes e fazer o movimento durante 10 segundos em cada grupo de dois dentinhos.

Existem várias técnicas para ensinar as crianças a escovar o dente. A Dra. Christiana Murakami ensina uma técnica chamada Fones, que envolve três movimentos básicos: trenzinho, bolinha e vassourinha.

“Nas superfícies oclusais dos molares (aonde mordemos, nos dentes de trás) fazemos o trenzinho, um movimento de vai-e-vem pegando de 2 em 2 dentes e sempre contando até 10. Em seguida fazemos a bolinha, movimentos circulares nas superfícies vestibulares (na parte “de fora” dos dentes, que fica voltada para os lábios) sempre pegando o dente e a gengiva para prevenir a gengivite. Por último fazemos a vassourinha, movimento de varrer, partindo da base do dente perto da gengiva e indo “para cima” e em direção a bochecha nas superfícies linguais (face do dente que fica ao lado da língua nos dentes de baixo e voltada para o céu da boca nos dentes de cima)”.

Quando terminar todos os dentinhos, a criança deve escovar a parte superior da língua e passar o fio dentel, que também ajuda a abrir o espaço entre os dentes para as cerdas da escova penetrarem melhor.

O fio dental serve para limpar os lugares que a escova não consegue alcançar. “Mesmo em crianças que têm os dentes de leite bem espaçados, a escova não consegue limpar dos ladinhos e é essencial passar o fio dental nas faces laterais dos dentes fazendo um movimento de esfregar, parecido com o de engraxar sapatos ou de secar as costas com a toalha”, alerta.

Paula R. F. Dabus

Depoimento