Pesquisar

Alimentação pode colaborar com a fertilidade feminina e masculina

Os objetivos são melhorar a qualidade das células do óvulo e do espermatozoide, prevenir os radicais livres e fortalecer o sistema imunológico

publicidade
Uma das principais propostas de uma dieta à base de verduras, carnes magras, peixes, ovos, cereais, leite e ovos é a de melhorar a qualidade das células do óvulo e do espermatozoide, prevenir os radicais livres e fortalecer o sistema imunológico. “Como são alimentos antioxidantes, eles beneficiam todas as células do corpo, incluindo o óvulo e o espermatozoide”, explica o ginecologista especialista em Reprodução Humana, Dr. Luiz Eduardo Albuquerque, diretor da Fertivitro.

Para quem está com a intenção de ter um filho, além de uma fazer uma reeducação alimentar, o especialista indica a prática regular de exercícios físicos. “A atividade física, realizada de forma moderada, evita a obesidade e, consequentemente, pode evitar a Síndrome do Ovário Policístico (SOP), que geralmente prejudica a ovulação. Exercício físico durante a gestação também pode evitar o ganho excessivo de peso”.
boa alimentação influencia na fertilidade de homens e mulheres - Foto: pressfoto / Freepik
O que comer

Alimentos ricos em Ômega 3 como os peixes, proteínas, grãos (vitamina E), legumes e frutas são indicados, pois podem melhorar a qualidade do espermatozoide.

Uma dieta adequada para beneficiar a fertilidade do homem e da mulher deve ser rica em vitaminas A, B, B6, B12, C, D e E, ácido fólico, selênio e zinco. Essas substâncias estão presentes em carnes magras, cereais, verduras, carnes, leite, oleoginosas (soja, milho), ovos e peixes. “A administração de vitaminas e oligoelementos (microminerais) podem ajudar de uma forma racional e econômica na luta contra a infertilidade, antes de iniciar um tratamento médico. Alguns antioxidantes, vitaminas e minerais ajudam na fertilidade feminina e masculina”, explica Albuquerque.

Confira a importância de cada vitamina para a fertilidade:

Vitamina C: tem sido associada com a melhora da qualidade do esperma e fragmentação de DNA, auxiliando a reduzir as chances de aborto.

Vitamina D: é necessária para ajudar o corpo a produzir os hormônios sexuais responsáveis pela ovulação. Além disso, quando diminuída esta associada a falhas de implantação do embrião.

Vitamina E: estudos demonstram que a vitamina E melhora a qualidade dos espermatozoides. Ela também é um antioxidante importante para neutralizar os radicais livres, ajuda a proteger o esperma, auxilia na fertilização e na integridade do DNA do óvulo.
 
Evite

Caso o objetivo seja engravidar é necessário reduzir a dieta café, gordura e doces. “A cafeína dificulta a absorção de ferro e cálcio, o que pode afetar a fertilidade da mulher e causar complicações na gravidez”, alerta Dr. Luiz.

Evite o consumo de cigarros, bebidas alcoólicas, substâncias químicas e hormônios masculinos, porque são contraindicados para quem pretende ter um filho.

As dietas ricas em carne vermelha e carboidratos refinados prejudicam a capacidade de movimentação dos espermatozoides. Estudos revelam que homens que ingerem gorduras trans apresentam diminuição na quantidade de espermatozoides encontrados no sêmen.
Sugere-se evitar carne bovina mal passada, peixe cru e alimentos que não estão bem lavados, por transmitirem a toxoplasmose, entre outras doenças, principalmente, para as mulheres. Alimentos afrodisíacos, como amendoim, não estimulam a fertilidade, isso é mito. Da mesma forma que comer abacaxi, gelatina e inhame e tomar suplementos de A a Z não interferem na fertilidade.

O excesso de peso pode diminuir a fertilidade do homem e da mulher. O desequilíbrio hormonal pode causar Síndrome do Ovário Policístico (SOP), ciclos menstruais irregulares, anovulação (diminuição ou parada da ovulação) e poucas chances de gestação. Mas não é preciso exagerar nas dietas e nos exercícios físicos, porque tudo em excesso pode ser prejudicial.
 
Tratamentos

Caso o homem ou a mulher apresentem indícios de infertilidade, após um ano de tentativas de relação sexual frequente, podem recorrer à medicina reprodutiva. Atualmente, existem três tipos de tratamentos de reprodução humana: coito programado, cuja relação sexual é programada no período fértil; Inseminação Intrauterina (IIU), que consiste em selecionar os melhores espermatozoides e colocá-los dentro do útero, para facilitar o encontro do óvulo com os espermatozoides; e a fertilização in vitro (FIV), em que a fecundação dos gametas (óvulos e espermatozoides) é feita em laboratório.
publicidade
publicidade