Pesquisar

A gravidez de 12 meses

O conceito "Gravidez de 12 meses" aborda, entre outros aspectos, a importância da orientação médica durante a pré-concepção do bebê.

publicidade

O conceito "Gravidez de 12 meses" - ou "One Year Pregnancy" - foi criado pelo ginecologista e obstetra Prof. Sérgio Peixoto, autor do livro "Pré-natal" que aborda, entre outros aspectos, a importância da orientação médica durante a pré-concepção do bebê. "O período pré-natal começa no momento em que o casal interrompe a contracepção e decide pela gravidez", define Dr. Peixoto.

Para o especialista, o ideal é que a gestação seja planejada pelo menos três meses antes da concepção, pois nesta fase é possível avaliar os cuidados e os riscos com a saúde da mãe, podendo diagnosticar enfermidades, compensar e equilibrar doenças crônicas.

Gestante preparando uma refeição - Foto: BhFoton/ShutterStock.com

"Quando decidimos fazer uma viagem longa, nos planejamos. Procuramos um consultor, escolhemos o roteiro e cuidamos de todos os preparativos. Tudo isso para minimizar os riscos de qualquer problema e poder curtir a viagem. Com a gravidez é a mesma coisa: a concepção planejada pode trazer benefícios à saúde da mãe e do feto", compara o médico.

O aconselhamento médico é importante para criar um ambiente adequado à gestação. Inicialmente, são discutidos aspectos emocionais, como planos, motivações e expectativas que levaram o casal a decidir pela gravidez. Em seguida, é feita uma avaliação clínica e solicitados exames ginecológicos e gerais para rastrear doenças, como infecções, problemas cardíacos, disfunções endócrinas, hipertensão, diabetes, entre outras.

Outros fatores a serem analisados são a atualização das vacinas e os hábitos de vida da paciente, como prática de exercícios, alimentação, stress, vícios, entre outros. "O entusiasmo é grande quando se está planejando engravidar, mas, para a normal evolução da gravidez, é preciso que os pais estejam saudáveis antes de ela se iniciar", explica Dr. Peixoto.

O médico explica que o feto é mais sensível a danos nos três primeiros meses da concepção e que algumas situações anteriores à fecundação podem interferir no seu desenvolvimento. Os principais fatores de risco são idade da mãe, peso, genética, nutrição, atividade física, medicamentos em uso, tabagismo, álcool e drogas, alterações metabólicas e outros.

"A procura do obstetra apenas após o exame de gravidez positivo incorre na perda de uma etapa importante para ajuste das condições atuais da mulher e definição do melhor momento para a concepção", ressalta.

publicidade
publicidade